Conselheiro

MAIS UM ANO, OU MENOS UM?

Muito estimadas irmãs em Cristo! Chegamos perto de mais um fim de ano e nos assustamos com a velocidade com que o tempo passou. Eu sei! Sempre falamos isso! Mas nos chocamos da mesma forma. No final de ano puxamos conversa com alguém sobre como o tempo passou, pensamos: “Mais um ano, ou menos um?” Daqui a pouco é Natal, mais um Natal, ou menos um Natal? A Palavra de Deus nos manda remir, administrar e usar bem o tempo. “Os dias em que vivemos são maus; por isso aproveitem bem todas as oportunidades que vocês têm.”- Ef 5.16

Aproveitar a vida significa usar bem o tempo presente. Não temos mais o passado a não ser como lembrança, não temos o futuro, pois ainda não aconteceu, temos o presente, o agora, e o nosso exercício deve ser procurar viver esse tempo. A frase em destaque andou circulando por aí, atribuída a um líder religioso que falou assim de nós, ocidentais: “Vivem a sua vida, com se não fossem morrer, e morrem como se não tivessem vivido.” É uma acusação dura para quem vive muito no passado, arrependido ou deprimido pelo que fez ou não fez. Para quem vive ansioso pelo futuro, tentando prever ou se preparar para qualquer eventualidade. E vive pouco no presente adiando a sua felicidade pensando: “Quando eu fizer isso ou aquilo, então sim, depois...!” Mas a vida é o que acontece entre esses dois extremos e temos o dever sim, de aproveitar e viver bem a vida que Deus nos dá hoje. “Então entendi que tudo o que a pessoa pode fazer é procurar ser feliz e viver o melhor que puder” – Ec 3.12 Isso não significa se entregar a vícios, manias, prazeres e pecados claramente condenados por Deus, mas temos a obrigação de valer-nos da vida e o tempo que Deus nos deu.

Aproveitar bem a vida e o tempo é servir a Deus com alegria com tudo o que somos e temos. Isso acontece na Igreja, no culto em comunhão com nossos irmãos em Cristo, na reunião do departamento de Servas, na vida devocional, no viver e no testemunho diário de nossa fé. Mas também é sentir alegria, gratidão e prazer pelas coisas que Deus nos dá. O trabalho, a companhia da família e dos amigos, uma refeição gostosa, uma festa, uma viagem bacana, ser esposa e esposo, ser mãe e pai de alguém, ter amigos, enfim! Devemos olhar para essas coisas como grandes bênçãos de Deus e usufruir sem culpa esses presentes, pois que tipos de filhos e filhas de Deus nós seríamos se não o honrássemos pelos presentes que Ele nos manda todos os dias?

Mais um ano está passando, que bom! Mais um ano de bênçãos, realizações, alegrias, de perdão e paz com Deus, mais um ano em que estivemos próximos do Senhor, e mais próximos daquilo que é eterno e permanente.

 

Pastor Rubens José Ogg

Conselheiro Nacional das LSLB


DOS NETOS PARA OS AVÓS!

“Os mestres sábios, aqueles que ensinaram muitas pessoas a fazer o que é certo, brilharão como as estrelas do céu, com um brilho que nunca se apagará.” – Daniel 12. 3

Não tive a chance de conviver muito com os meus avós, já foram chamados por Deus há muito tempo. Mas Deus me deu a chance de ter em minha vida muitas pessoas, que foram, em diversas situações, meus irmãos, pais e família, pessoas que acolhem e adotam os pastores e suas famílias. Algumas dessas pessoas foram para mim como avôs e avós, tanto nos conselhos que me deram, como na assistência que como pastor, pude lhes dar.   

Estamos acostumados a receber dos mais velhos, nossos pais e avós, os conselhos, orientações, e o testemunho de fé e vida. Mas testemunho deve ser dado por todos e para todos, inclusive aos nossos pais e avós. O que será que eles gostariam de ouvir, saber e receber de seus filhos e netos?

Talvez nossos avós precisem ter confirmado em seus corações que deram um bom testemunho, que seus filhos e netos foram chamados à fé e vão continuar nela e que um dia todos vão estar juntos na vida. O segundo motivo que poderíamos listar aqui é que, mesmo uma pessoa que se manteve fiel a Deus ao longo de toda a sua vida pode fraquejar e duvidar. Nesses casos é preciso reafirmar que podem se colocar nas mãos de Deus e descansar nessa fé. Devem ser assegurados de que sua vida e seu testemunho estão presentes na vida cristã de seus filhos e netos. Que essa fé retorna na forma de testemunho, companhia, carinho, cuidado, apreço e amor pelo vovô e pela vovó. Eles precisam saber que foram bons instrumentos nas mãos de Deus, que são nossos pais espirituais e que com alegria podemos imitar a fé que tiveram. 

Esses Esteios que sempre nos carregaram nos braços precisam saber que estamos bem, e que agora quando for preciso nós vamos carrega-los e vamos continuar honrando-os, que o seu exemplo não vai ser esquecido, que sempre vão estar em nossos corações e que se fraquejarem vamos lhes dizer com todas as letras: 

“Caro vovô e vovó, você me ensinou a confiar em Jesus como meu Senhor e Salvador. Quando eu era criança, você me contava as histórias de Jesus e quando eu ficava com medo me lembrava dessas histórias e sabia que Jesus estava ao meu lado, afinal, o meu vô e a minha vó, me ensinaram sobre ele e até hoje eu creio nesse Senhor! Talvez você sinta medo ou dúvida, mas eu sou a prova viva de que tudo o que você me contou é verdade. Esse Jesus que você me ensinou a amar quando eu era criança estava comigo quando eu tinha medo, por isso tenha certeza, de que ele sempre esteve e sempre estará ao seu lado em todos os momentos! Seu neto, neta, filho, filha, afilhado, sobrinho, e todos dos quais vocês são avô e avó!”

Pastor Rubens José Ogg

Conselheiro Nacional das LSLB

Estamos em crise?

Das muitas coisas que foram ditas no final de 2015 uma se repetiu e foi reforçada continuamente, é que estamos em crise, e que vamos continuar em crise em 2016, e que talvez em 2018 a crise passe e possamos retomar o crescimento. Pode ser que tudo isso seja uma propaganda com outros fins, mas podemos nos perguntar: quando não estivemos em crise? Quando não estivemos em crise política e econômica? Quando não estivemos em crise familiar? Quando não estivemos em crise moral? Quando não estivemos em crise pessoal?

           Todas essas crises tem origem numa só, na crise espiritual, no nosso fracasso em sermos santos, “... santos sereis porque eu o Senhor vosso Deus sou santo...” – 1 Pedro 1.16, na crise que rompeu o relacionamento com Deus causada pelo pecado. Essa crise nos afeta e afetou todo o mundo que nós conhecemos. Talvez o problema seja esse, a propaganda alarmista, desesperada, alucinada “... meu Deus do céu estamos em crise, e agora? Quando vamos superar tudo isso?” Mas será que todo esse alarme causado pela “crise” pode ser propagandeado e nos afetar dessa forma? Como se não tivéssemos esperança? Como se Deus não fosse Deus e não fosse Senhor da História e de todas as coisas?

ESTAMOS EM CRISE?

Das muitas coisas que foram ditas por Deus ao longo de 2015 e que valem para 2016, 17, 18... é que – “NÃO ESTAMOS MAIS EM CRISE!”- Boas Novas...a crise foi resolvida pelo Senhor Jesus! Aos nossos primeiros pais Deus prometeu resolver a crise, e quando nos enviou o seu Filho cumpriu com a sua promessa. Pecado, morte, inferno e diabo foram derrotados pelo Salvador, já temos a solução principal para a nossa vida, que é - termos vida e vida em abundancia. Diante disso as outras crises ficam pequenas; na fé podemos afirmar como Paulo Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. Tudo posso naquele que me fortalece” Filipenses 4.12,13 - ou ainda, a confiança nas palavras do Salvador Jesus: “Buscai, pois em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas as outras coisas te serão acrescentadas.” – Mateus 6.33.

Querida irmã no Salvador Jesus! Você é uma pessoa amada, querida, e extremamente valiosa aos olhos do nosso Senhor, cuja principal crise foi resolvida, Deus fez as pazes e se reconciliou contigo, por meio de Cristo te dá o perdão, a vida e a salvação, isso é o principal. Ter Deus do nosso lado é ter a solução para todas as crises.


Pastor Rubens José Ogg

Vivendo e morrendo pela fé em Cristo!

Temos vivido o terror das notícias sobre o assassinato de milhares de cristãos, veiculadas principalmente pelas redes sociais. Fuzilamentos, decapitações, enforcamentos, pessoas sendo sepultadas vivas, fazem parte desse cardápio de terror. Aqui em nosso país temos liberdade religiosa, mas já se fala em “Cristofobia”. Podemos dizer que viver na fé pode significar, literalmente, morrer pela fé, ou ser perseguido por ela.

Viver pela fé em Jesus significa ser chamado por Deus Espírito Santo para uma relação de fé, confiança e amor com Deus. Somos chamados por Deus para crermos e, por meio dessa fé, estar ligados com o nosso Senhor. Uma criança vive no útero da sua mãe por estar conectada com ela pelo cordão umbilical. Por meio dele, recebe oxigênio e todos os nutrientes que a mantêm viva e, pelo mesmo cordão, são retiradas da criança as impurezas e toxinas que poderiam matá-la. Nós vivemos em Cristo por estarmos conectados com ele pela fé; dele recebemos os nutrientes espirituais que nos mantêm vivos, palavra e sacramentos, e por meio do perdão é retirado de nós o pecado que pode nos matar. Unidos pela fé com o Salvador, vivemos nova vida, e produzimos, a partir dessa fé, os frutos, as boas obras de amor a Deus e ao próximo, marcas da vida cristã e de nossa santificação. João 15.5: “Eu sou a videira, e vocês são os ramos, quem está unido comigo e eu com ele, esse dá muito fruto, porque sem mim vocês não podem fazer nada”.

Ansiamos viver esta vida. Muitos jovens, na ânsia de “viver”, se perdem em vícios. Outros apostam todas as suas esperanças na aposentadoria, para poderem “viver a vida”, mas essa prioridade, anseio, preocupação com as coisas daqui não são viver a verdadeira vida; essa é vivida na fé e pela fé. João 12.25: “Quem ama sua vida não terá a vida verdadeira, mas quem não se apega a sua vida neste mundo, ganhará para sempre a vida verdadeira”. Isso significa muitas coisas, entre elas: que temos uma expectativa muito maior e melhor do que ainda está por vir - o perdão, a vida eterna e a nova vida com Deus não são metáforas ou ilusões; de que o que está aqui, nossa vida terrena é passageira, o que é definitivo e eterno está por vir; que vivemos na fé em função do nosso Senhor, a quem servimos, ele é o centro de nossa vida.

Estimada irmã! Graças à ação de Deus, vivemos pela fé e na fé; isso significa receber perdão, vida e salvação. Significa viver o aqui e agora com o Senhor, mas, também, viver a esperança e expectativa do que ainda vamos receber, significa dizer que a morte foi vencida pela vida e que essa vida é nossa. Que Deus nos abençoe!

 

Pastor Rubens José Ogg

Conselheiro Nacional da LSLB

ESPERANÇA – TALVEZ SIM!...TALVEZ NÃO?

“Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida somos os mais infelizes de todos os homens!” 1 Co 15.19

Como é bom quando podemos planejar uma viagem! Ir a um lugar novo, conhecer novas pessoas! Ficamos imaginando como será? Qual será o nosso roteiro? Quantos dias vamos ficar? O que vamos fazer para nos divertir? Fico imaginando as muitas irmãs que estão se preparando, esperando, projetando e planejando a ida e a participação no Congresso Nacional da LSLB. É uma expectativa muito grande, mas uma expectativa muito feliz. Ficamos felizes por antecipação, antevendo o momento sonhamos e nos alegramos com o encontro, é só uma questão de tempo. Como é a tua esperança? A tua esperança é a esperança do “talvez”? Como quem pergunta se vai chover amanhã, ou parar de chover, e você responde, - “Tenho esperança!” Mas, vai acontecer? – “Bom, não sei!” Essa esperança incerta não é a esperança dos filhos de Deus. Os filhos de Deus sempre têm uma alegre expectativa, um esperar por aquilo que vai acontecer.

No mês de Novembro lembramos o dia de Finados. Milhares de pessoas se dirigem aos cemitérios em todos os lugares do Brasil e do mundo e lá vão lembrar seus entes queridos. A saudade vai aparecer, uma lágrima, ou várias, podem correr pelo rosto. Qual será a esperança dessas pessoas em relação aos seus entes queridos? Podemos citar dois grupos - aqueles que não têm nenhuma esperança, acreditam que não há mais nada, apenas saudade, dor e tristeza! Mas há outro grupo, os que esperam alguma coisa, o quê? Esperam que a morte não seja o fim de tudo, que ela perdeu o seu poder, que não estamos sujeitos a sermos simplesmente aniquilados e que, quando morrermos, simplesmente não “sumimos do mapa” como se diz. Essa esperança se baseia na vinda do Salvador e se cumpre em Cristo. A espera acaba com o brado de Cristo na cruz, “está consumado”! O que tinha que ser feito para salvar a nossa vida, foi feito por Cristo. Essa obra e salvação foram confirmadas pelo próprio Deus que ressuscita seu Filho no terceiro dia; Jesus vence a morte, não podia ser retido por ela e pela fé essa vitória é nossa. O pecado, a desobediência causam morte e condenação e os dois foram vencidos. Pela fé estamos justificados perante Deus. Quem confia em Cristo, recebe de graça perdão, vida e salvação. A morte foi vencida e assim como Cristo ressuscitou também nós ressuscitaremos junto com todos aqueles que na fé foram chamados pelo Senhor!

O que esperamos? Já recebemos a vida pela fé e, portanto vivemos o “já”, da nova vida em Cristo, mas também aguardamos o “ainda não” da vida definitiva com Deus. Essa esperança não é “talvez”, mas uma alegre expectativa, do que vai acontecer. Estimadas irmãs, que pela fé no Salvador Jesus, cada uma de vocês possa se alegrar antecipadamente com o que vamos receber de graça e pela Graça de nosso Deus.

Pastor Rubens José Ogg

Conselheiro Nacional da LSLB.

Capacitando para a vida cristã

Com a graça de Deus, iniciamos o novo ano da Igreja no dia 2 de dezembro de 2012. A fim de continuar comunicando a vida e levando Cristo para todos, a IELB enfatizará o capacitando: "Jesus - o sol nascente".

A LSLB, por sua vez, escolheu como alvo os jovens. A juventude é um período muito vulnerável na vida da pessoa; simultaneamente, é um período de fazer escolhas decisivas para o futuro (profissão, formação, namoro) e, da mesma forma, decisivo para ser firmado na vida cristã. A Bíblia tem muitas orientações sobre esse assunto, a mais clássica talvez seja a de Deuteronômio 6.6-7, onde diz: "Guardem sempre no coração as leis que eu lhes estou dando hoje e não deixem de ensiná-las [inculcar] aos seus filhos".

Se por um lado Deus nos capacita com a boa Palavra para vivermos no amor cristão, por outro lado o diabo procura de todas as formas nos afastar dela, pois ele sabe que a Palavra nos alimenta, fortalece e capacita. Por isso, a vida cristã é uma luta constante - também a dos jovens! E eles precisam ser fortalecidos para a batalha e estar ao lado do Senhor vitorioso, Cristo Jesus, por meio da Palavra e dos sacramentos.

Isso nos leva a pensar na instrução de nossos jovens e, em especial, na instrução de confirmandos. Nesse processo que capacita, é necessário que igreja e famílias estejam unidas. Para o reformador Martinho Lutero, a grande preocupação era levar a Palavra de Deus aos jovens de forma clara e objetiva. Foi por isso que preparou um manual de ensino cristão para que os pais aprendessem e pudessem, depois, ensinar aos filhos, como servos de Deus em casa. Os pais precisam buscar uma clara compreensão, primeiro para saberem e depois para poderem ensinar aos seus filhos.

A nossa Igreja tem bons materiais que podem auxiliar na instrução de nossos jovens. Dentre eles destaco o Com Jesus, preparado pela comissão de Escola Dominical para os pré-confirmandos; o Com Jesus - manual de instrução cristã; o Crescendo em Cristo; e o próprio Catecismo para as séries seguintes.

 


 

Que o Deus da graça e do amor nos capacite em tudo!
Pastor Volmar Herbertz

 


COMPARTILHE:



Copyright © 2017. Todos os direitos reservados a LSLB
Desenvolvido por WobaDesign

Área de acesso  restrita!